Search

Caçador de Marajás

1989 – O primeiro voto para presidente da República depois do fim do regime militar


Depois da última eleição para presidente da República (Jânio Quadros), em 1960, o país voltou a escolher seu presidente em 1989. Fernando Collor de Mello (PRN) e Luís Inácio da Silva, o Lula (PT), passaram para o segundo turno neste primeiro embate presidencial em 29 anos.


Além de toda a expectativa envolvida sobre quem seria o primeiro presidente eleito, depois da redemocratização do país, com o fim dos governos militares, em 1985 o que se percebia era a forma comunicativa das campanhas e de como seriam apresentadas. O primeiro turno mostrou pouca coisa de avanço em termos de comunicação política a não ser pelos apelos inovadores do PT e PRN – que para a época foram traduzidos como marcos no marketing político.

Caçador de marajás - Fernando Collor de Mello foi um dos candidatos que mais soube explorar o marketing ao seu favor. Há quem diga que a sua campanha foi um pouco parecida com a de Jânio Quadros, contudo o apelo visual associado ao slogan que ficou para a história — “caçador de marajás” — fazia referência aos políticos e outros servidores que recebiam altos salários. O objetivo do então candidato era acabar com esse cenário.


Com um bom bordão e investindo na imagem de um jovem político em ascensão, Collor soube trabalhar sua imagem.


Além disso houve ações inovadoras para a época:

· Sua equipe colocou uma linha telefônica em que os eleitores entravam em contato diretamente com os colaboradores da campanha.

· Após os contatos, os simpatizantes ganhavam um kit de adesivos pelos correios, além de brindes tradicionais do período, como chaveiros e camisetas.


O rádio foi uma mídia importante na campanha de Collor, de forma eficiente ele conseguia alcançar todo o tipo de público, desde os analfabetos até os empresários.


Ao final da campanha houve toda uma celeuma com relação a edição do telejornal “Jornal Nacional” da TV Globo que teria favorecido a campanha do jovem candidato de Alagoas – Fernando Collor.






19 views0 comments